Como seria o cartão de crédito perfeito?

No Dia da Mentira eu publiquei sobre o lançamento do Cartões, Milhas e Viagens Mastercard Black. Foi uma brincadeira, mas também uma alfinetada nos bancos, que precisam de uma consultoria especializada para entender o que os clientes realmente desejam. As percepções de mercado dos bancos são bem equivocadas, com benefícios pouco úteis e parceiros defasados.

Convidei a minha equipe para juntos citarmos o que mais gostaríamos em futuros cartões de crédito.

Gabriel Dias

O mercado de cartões no Brasil é quase mais do mesmo, com poucas mudanças entre os bancos. Todo mundo transfere os pontos para Smiles, TudoAzul e LATAM Pass, mas a grande verdade é que ninguém aguenta mais depender desses programas, que estão cada vez mais inflacionados. Os programas internacionais são o desejo dos viajantes brasileiros. Ter TAP Miles&Go, Iberia Plus e AAdvantage, na conversão de 1 para 1, seria um gigantesco diferencial. Claro que provavelmente o custo para o cartão vai ser maior, mas em paralelo os clientes usariam mais o cartão, o que dá lucro ao banco.

Ter uma política clara para desconto ou isenção da anuidade é fundamental. Via gastos e investimentos – gerando duas opções aos clientes. Também acho que os benefícios poderiam ser atrelados aos gastos, para nivelar por cima e dar melhores benefícios para os melhores clientes. Acho justo.

Sobre o acesso às salas VIP, o cenário ideal é: Priority Pass + DragonPass, ambos ilimitados. Como o PP é um produto caro, eu ficaria feliz com LoungeKey e DragonPass ilimitados, e com convidados gratuitos.

  • Pontuação: 1 ponto por real. Pontuação com base em dólar está em baixa.
  • Programas parceiros: Iberia Plus, AAdvantage e TAP Miles&Go.
  • Benefícios extras: bônus inicial de contratação + pontuação diferenciada no primeiro ano + 1 ano de anuidade grátis.
  • Acesso às salas VIP: ilimitado e gratuito, para portador e convidados, no Priority Pass e LoungeKey.
  • Política para isenção da anuidade: mediante gastos ou investimentos, com pelo menos 3 faixas.
  • Cartões adicionais: pelo menos 2 cartões gratuitos.

Israel Nascimento

Cartão bom é cartão que acumula muitos pontos para transformar em milhas e ter acesso às salas VIP de forma ilimitada e gratuita.

  • Pontuação: 1 ponto por real.
  • Programas parceiros: 1:1 em todos – TAP Miles&Go, Smiles, TudoAzul e LATAM Pass.
  • Benefícios extras: pontos extras – meta de ganhos de acordo com o valor da fatura.
  • Acesso às salas VIP: Ilimitado.
  • Política para isenção da anuidade: Até 10k – 50% e 20k – 100%.
  • Cartões adicionais: 5 grátis.

Marcos Paulo Pereira

Atualmente, vemos cada vez mais nossos pontos desvalorizados, seja pela piora dos programas de fidelidade das empresas aéreas ou de cartões de crédito. Por isso, vejo como importante a parceria com programas fortes, principalmente localizados no exterior.

  • Pontuação: Pontuação padrão de 2,5 pontos por dólar. Acúmulo bonificado em 3,0 pontos para clientes que gastem acima de 10 mil por mês. Acúmulo de 3,5 pontos para clientes que gastem acima de 20 mil por mês ou tenham acima de 1 milhão em investimentos.
  • Programas parceiros: nacionais – LATAM Pass, Smiles, TudoAzul. Internacionais – TAP Miles&Go, Iberia Plus, AAdvantage e United Mileage.
  • Benefícios extras: necessário seguros de viagem, proteção de preço, proteção de compra, chip de viagem, transfer aeroporto e seguro aluguel de carro.
  • Acesso às salas VIP: LoungeKey e DragonPass ilimitado. 10 acessos via Priority Pass.
  • Política para isenção da anuidade: uma política de isenção clara, justa e rígida. Visto que dessa forma os clientes que atinjam as métricas determinadas pelo banco serão recompensados com a isenção da anuidade e com benefícios melhores, pois assim o banco não gastará recursos isentando anuidade de clientes que não trazem rentabilidade. De zero até 5 mil: 0% – De 5 a 10 mil: 50% – Acima de 10 mil: 100%.
  • Cartões adicionais: até 4 adicionais gratuitos – os demais pagam 50% da anuidade.

Thiago Travagini

Em época de dólar alto, acho que seria mais justo nos compararmos com nossa moeda local e pontuar baseado nela. Além disso, ter parceria com programas sólidos e que não possuem tantas regras e mudanças constantes, como os programas nacionais, seria fundamental para o sucesso do cartão.

  • Pontuação: 1 ponto por real ou 4 pontos por dólar.
  • Programas parceiros: American Airlines, Iberia, Qatar, United, TAP – todos 1:1. Fora os programas nacionais. Todas com possibilidade de transferência com bônus.
  • Benefícios extras: benefícios Visa Infinite + Assistência PET, Seguro de carro incluído, Status em todas as redes de hotéis do mundo, status Diamante Azul e Diamante Smiles, 1 passagem cortesia para acompanhante no ano, chip de internet ilimitado em viagem internacional, Seguro viagem sem ser por reembolso, seguro veículo alugado sem ser reembolso, Concierge, spread zero, sacar dinheiro em caixa internacional sem taxa ilimitado e sem spread.
  • Acesso às salas VIP: ilimitado LK e PP + salas Bradesco.
  • Política para isenção da anuidade: Gastos a partir de R$ 5 mil.
  • Cartões adicionais: 8 adicionais gratuitos.

Conclusão

Os bancos podem melhorar os cartões, mas para isso é preciso mudar o pensamento. Atualmente, os bancos pensem em diminuir benefícios para aumentar lucros, mas eles deveriam pensar em aumentar os benefícios para conseguir mais clientes que vão usar o cartão como meio de pagamento principal – o que dá lucro. Além disso, oferecendo um bom cartão, junto com boa oferta de investimentos, torna-se o cenário perfeito.

O Mastercard Black, Visa Infinite e Elo Nanquim estão desvalorizados. Uma nova categoria se faz necessária, como a Visa Infinite tem feito com o Aeternum, DUX e Altus, mas sem os altíssimos valores de investimentos exigidos.

Você pode se interessar

Deixe um comentário